Letícia, da Uniube - mar 6, 2019

Pesquisa científica: importância para sua vida acadêmica e profissional

A pesquisa científica faz parte da realidade de quem está inserido no mundo universitário. O aprofundamento sobre um campo de estudo pode começar logo na graduação e se estender até o doutorado.

Para se tornar pesquisador em nível profissional, o aluno deve estar matriculado em — ou ter concluído — um curso de pós-graduação stricto sensu e participar de um grupo de iniciação científica.

Dedicar-se a estudar um tema com maior profundidade e ainda receber uma bolsa por isso é tentador, não é mesmo? Ser cientista une a paixão pelos estudos à recompensa financeira.

Se você está interessado em descobrir se tem perfil para carreira acadêmica, acompanhe este artigo e esclareça suas dúvidas!

O que é pós-graduação stricto sensu?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre os dois tipos de especialização regulamentadas no Brasil: lato sensu e stricto sensu. Entender esses conceitos é fundamental para compreender em que contexto a pesquisa científica se encaixa.

Pós-graduação lato sensu

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), os cursos lato sensu são divididos em dois tipos: MBA e especialização.

Este grau de escolaridade é concedido após carga horária mínima de 360 horas. Em geral, os cursos lato sensu são voltados para o desenvolvimento de habilidades requisitadas pelo mercado de trabalho: conhecimentos específicos ou conceitos de gestão em uma determinada área.

Ao concluir uma pós-graduação lato sensu, o aluno recebe um certificado após o término das aulas.

Pós-graduação stricto sensu

Os cursos stricto sensu são ofertados por meio de editais de seleção e englobam programas de mestrado, mestrado profissional e doutorado.

A paixão pelo aprofundamento em um campo do conhecimento e a pesquisa científica faz parte da rotina de quem cursa um desses tipos de pós-graduação.

Essa modalidade é ideal para quem deseja seguir carreira acadêmica. Ao final do curso, o estudante recebe um diploma.

Quais os benefícios de fazer um projeto de pesquisa científica?

O último censo educacional, realizado pelo Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, em 2016, aponta que, na época, o país contava com 37.640 grupos de pesquisa, 199.566 pesquisadores e 129.929 doutores.

Os dados mostram que a proporção de pesquisadores ainda é baixa, quando consideramos a dimensão do nosso país.

Ou seja, falta mão de obra qualificada para quem deseja fomentar a inovação entre os laboratórios universitários. Portanto, há oportunidades na área.

Listamos, a seguir, alguns benefícios percebidos por quem se envolve com pesquisa científica.

Pesquisa científica importância para sua vida acadêmica e profissional

Bons salários

Quem se dedica à pesquisa científica pode ganhar, em média, até R$4.722,44, em cargos de nível master de grandes empresas, de acordo com o Banco Nacional de Empregos.

Contudo, não podemos esquecer que o valor pode ser ainda maior se o pesquisador conseguir apoio de uma entidade de financiamento.

No Brasil, existem diversos fundos de apoio à pesquisa, que selecionam projetos para aporte financeiro. Além de investirem no desenvolvimento dos estudos, essas entidades incentivam os pesquisadores, com apoio de bolsas mensais.

Ou seja, na prática, você terá uma boa renda mensal garantida e poderá focar no objetivo de se tornar um especialista na carreira dos seus sonhos.

Senso crítico apurado

Todo pesquisador precisa elencar e validar hipóteses rotineiramente. A observação dos fenômenos e a constante leitura de material acadêmico permitem que o estudante amplie seu repertório.

O aluno de mestrado ou doutorado tem amplo senso crítico e capacidade analítica. A bagagem acadêmica ofertada em uma pós-graduação stricto sensu é potencializada quando a pessoa se envolve em um projeto de pesquisa científica.

Quanto mais você estuda um tema, mais será capaz de refletir sobre seus diversos aspectos, além de ter condições de propor inovações e melhorias.

Domínio metodológico

A metodologia é parte fundamental de qualquer projeto de pesquisa científica.

Aplicar diariamente as regras e os procedimentos básicos de pesquisa vai fazer com que você tenha uma visão mais sistematizada de como o conhecimento é desenvolvido.

Os pesquisadores tendem a ser pessoas bem organizadas, com capacidade de priorização rápida e eficiente. Conseguem estruturar processos e organizar ideias com clareza e objetividade, graças ao rigor metodológico que é adotado nos laboratórios científicos.

Networking

A pesquisa científica, geralmente, é feita em grupos. Grandes projetos chegam a envolver diversos estudantes e orientadores por anos.

Estar envolvido em um grupo de pesquisa resulta em ter contato com diferentes pessoas ao longo do período de estudo.

É possível construir relacionamentos profissionais duradouros com professores e com o mercado de trabalho em geral.

Aproveite este contato com os mestres em sala de aula para estabelecer conexões profissionais que vão além dos corredores da Universidade.

Em alguns setores, é comum que o pesquisador receba convites profissionais. Por exemplo, muitos médicos cientistas acabam se tornando pesquisadores de laboratórios farmacêuticos para desenvolverem novos fármacos e tratamentos experimentais.

Como participar de um projeto de pesquisa científica?

Se as vantagens da pesquisa científica para a sua vida acadêmica e profissional já deixaram você convencido, é hora de encontrar um projeto ideal.

É comum que os pesquisadores comecem a carreira acadêmica na iniciação científica. Trata-se de oportunidades, que podem ser aproveitadas desde a graduação, para incentivar a formação de novos pesquisadores.

A iniciação é orientada por um professor responsável, que elege um tema de estudo para aprofundamento.  Ao final de cada período, o orientador deve emitir relatórios sobre os resultados alcançados e o desempenho do orientando.

Essa experiência inicial com o universo científico vai enriquecer o seu currículo. Além disso, muitos projetos acadêmicos acabam se tornando publicações em revistas e periódicos científicos, consolidando o seu nome nesse universo.

O primeiro passo para participar de uma pesquisa científica é conversar com professores e conhecer as linhas de estudo da sua Universidade. Busque a que mais se enquadra na sua área de interesse e entenda como você pode colaborar com o projeto.

Existem diversas funções em um programa de pesquisa, que vão desde a leitura das referências bibliográficas até a realização de testes em laboratório.

Seja qual for o seu papel no grupo, tenha em mente que é preciso se envolver com responsabilidade. Cumprir os prazos e objetivos de cada etapa vai ser benéfico para o seu desenvolvimento pessoal.

Quer saber mais sobre pesquisa científica? Siga o nosso Facebook e fique por dentro das novidades do mercado de trabalho e do universo da pós-graduação.

Escrito por Letícia, da Uniube