Letícia, da Uniube - mai 22, 2019

7 áreas de atuação para o engenheiro eletricista

As Engenharias estão entre as profissões mais bem remuneradas do país. Uma das opções para quem quer seguir por esse caminho é se tornar engenheiro eletricista, profissional que tem cada vez mais espaço no mercado.

Quem trabalha no setor lida com atividades em alta: fabricação e manutenção de equipamentos eletrônicos, automação e sistemas elétricos, de forma geral.

A carreira é tão importante que preparamos este conteúdo para esclarecer tudo o que você precisa saber sobre ela.

Acompanhe o texto para descobrir as áreas de atuação do engenheiro eletricista e se você tem perfil para seguir essa profissão.

Vamos lá?

O que é Engenharia Elétrica?

A Engenharia Elétrica é essencial para as atividades modernas da sociedade. Basta pensar no impacto da falta de energia no dia a dia para ter noção da relevância desse campo de atuação.

Graças à eletricidade e à eletrônica, o ser humano conseguiu progredir em inúmeras áreas e revolucionar processos.

Pense em uma UTI. O engenheiro eletricista é responsável por desenvolver vários equipamentos da unidade e por garantir que o fornecimento de energia seja contínuo.

Assim, esse profissional é muito importante para manter o funcionamento de um hospital e de outros espaços importantes nos quais estamos inseridos diariamente.

Formação do engenheiro eletricista

Quem deseja se tornar engenheiro eletricista deve cursar a graduação em Engenharia Elétrica. O curso tem duração de 5 anos — ou 10 semestres.

Ao longo da graduação, o aluno terá acesso a conteúdos diretamente relacionados a Sistemas Embarcados, Indústria 4.0, fontes renováveis, dentre outros.

Por isso, é muito importante que o futuro universitário esteja disposto a entender as teorias e processos desse campo de estudo.

Ao final do curso, o então engenheiro estará apto a se filiar ao Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia (Crea) do seu estado e poderá desempenhar suas atividades profissionais nas seguintes áreas: Eletrônica, Telecomunicações e Sistemas de Controle (art. 9º) e Sistemas de Energia (art. 8º).

Com o cadastro em dia, o engenheiro eletricista poderá atuar nos setores automobilístico, metalúrgico, petroquímico, siderúrgico, geração de energia elétrica e instituições científicas.

Como a área é bem versátil, você pode encontrar oportunidades em vários tipos de empresa.

O engenheiro eletricista pode buscar vagas com perfil mais técnico ou atuar em cargos de liderança e gestão.

Perfil profissional da Engenharia Elétrica

Quem deseja se tornar engenheiro eletricista, além do interesse pela área de Engenharia, deve ter bom raciocínio lógico e gostar do universo dos números e cálculos.

Também deve ter bom domínio da Língua Portuguesa, afinal, ela é essencial para a comunicação adequada com colegas de trabalho, clientes e outras pessoas que estão presentes no seu cotidiano.

Tendo em vista que há oportunidades para atuar em empresas multinacionais, é recomendável que, ao final do curso, o aluno tenha domínio, também, da Língua Inglesa.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para quem opta pela Engenharia Elétrica é promissor.

Ainda na Universidade, é possível conseguir um estágio na área ou participar de um projeto de pesquisa. Ambas oportunidades vão enriquecer seu currículo e servirão para encontrar uma boa oportunidade de emprego após a formatura.

Estabelecido pelo Crea, o piso salarial para um engenheiro eletricista é de 8,5 salários mínimos. De acordo com o Caged, do Governo Federal, a faixa salarial média para a atividade é de R$8.313,70.

No auge da carreira, o profissional poderá ganhar até R$20 mil, dependendo do setor em que atua.

Campos de atuação para o engenheiro eletricista

O engenheiro eletricista pode encontrar oportunidades em diversos campos. Se você quer saber mais sobre as possibilidades de emprego na área, destacamos 7 áreas de atuação:

1. Sistemas de Controle

Qualquer processo industrial precisa da ajuda de um engenheiro eletricista.  Os sistemas de controle são fundamentais para garantir o pleno funcionamento de vários equipamentos, como colunas de destilação e máquinas elétricas.

Essas vagas são indicadas para quem gosta de trabalhar com processos e tem interesse por inovação.

2. Sistemas Eletrônicos

A Eletrônica e a Microeletrônica são vertentes da mesma área. Trata-se do desenvolvimento de dispositivos que utilizam semicondutores para o seu funcionamento, independentemente do tamanho.

Um rápido olhar ao seu redor revelará como essa área se estabelece. É graças a esse setor que seu smartphone e o seu computador funcionam com perfeição.

3. Eletrotécnica

Quem se interessa por processos ligados à eletricidade deve buscar vagas nessa área. A Eletrotécnica é direcionada para a criação e conservação de sistemas elétricos nas usinas, além de redes de distribuição de energia. Envolve a especificação de geradores, motores, transformadores e projetos de instalações elétricas.

É um campo mais técnico e recomendado para pessoas que se interessam em estudar os fenômenos físicos.

4. Instrumentos de medição

Diversas áreas contam com o apoio de instrumentos para a atividade profissional. Os trabalhadores de empresas que fornecem energia, por exemplo, precisam de aparelhos para medir a tensão da rede.

Engenheiro eletricista - telecomunicações

5. Telecomunicações

O setor de Telecomunicações é um dos que geram grandes oportunidades para os engenheiros eletricistas. A maior presença de redes de telefonia móvel e de internet pelo país impactou diretamente no aumento de vagas em empresas da área.

O engenheiro é responsável por desenvolver redes de transmissão e equipamentos para estabelecer a comunicação em rede.

6. Sistemas Microcontrolados

Nem só de Tecnologia da Informação vive a computação. O desenvolvimento de hardware e a programação também são tarefas que necessitam da participação do engenheiro eletricista.

Ele é responsável por criar componentes para o funcionamento de processadores e computadores. Pode trabalhar ainda na programação de processos automatizados e componentes eletrônicos.

7. Engenharia biomédica

Lembra quando citamos, no início do texto, o funcionamento da UTI hospitalar? Pois é, esse é apenas um dos exemplos de como a Engenharia Elétrica contribui para o desenvolvimento deste segmento.

A fabricação e a manutenção da maioria dos equipamentos hospitalares avançados necessitam da atuação do engenheiro eletricista.

Engenheiro eletricista: uma série de caminhos

Como você pôde perceber, há inúmeras oportunidades para o engenheiro eletricista.

Sem os profissionais desse setor, não teríamos avançado com tanta rapidez, nem teriam sido desenvolvidas tecnologias importantes, que são aplicadas desde os processos industriais até o meio médico.

Com tantas possibilidades e vantagens, fica fácil se apaixonar pela profissão, não é mesmo?

Quer saber mais? Conheça a página do curso de Engenharia Elétrica da Uniube.  

Escrito por Letícia, da Uniube