Letícia, da Uniube - abr 25, 2019

6 opções de trabalho para um cientista político

6 opções de trabalho para um cientista político

A Ciência Política no Brasil foi, por muito tempo, conhecida apenas como uma das especialidades englobadas pelas Ciências Sociais. Porém, diante da complexidade do cenário brasileiro, a importância do trabalho do cientista político tem aumentado cada vez mais.

Se antes as pessoas que queriam construir uma carreira na área tinham apenas o curso de Ciências Sociais como opção, atualmente diversas Universidades já possuem o bacharelado em Ciência Política, inclusive na modalidade a distância.

Enquanto as Ciências Sociais oferecem uma formação mais abrangente sobre suas três grandes áreas (Ciência Política, Antropologia e Sociologia), a graduação em Ciência Política tem como foco a atuação no mercado de trabalho. Sendo assim, explora mais a fundo os conhecimentos específicos da profissão.

Tem interesse em trabalhar como cientista político? Confira, a seguir, o que você precisa saber sobre o mercado de trabalho e conheça as principais carreiras que você pode seguir.

Como anda o mercado de trabalho

Embora  a graduação  seja recente no Brasil, quando comparada a outras das áreas de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, a demanda pelo curso é crescente. Isso porque o trabalho do cientista político não está ligado somente às questões políticas atuais.

Na graduação, os alunos estudam de maneira aprofundada como são estabelecidas as relações de poder e organizações presentes na sociedade. Esse tipo de conhecimento funciona como base para a análise das teorias e operação dos sistemas políticos.

Seja qual for o cargo ocupado, entender a estrutura dos sistemas é de extrema importância. E, diante dos desafios impostos pela conjuntura atual, o trabalho dos profissionais formados na área tem ganhado maior reconhecimento.

Tanto que, atualmente, o cientista político encontra várias oportunidades de atuação em organizações públicas, privadas e no terceiro setor.

Fique sabendo que o trabalho não está restrito apenas aos períodos de eleição, como muitas pessoas imaginam. O governo, os institutos de pesquisa e as empresas privadas demandam análises constantes sobre questões políticas e sociais.

De acordo com uma pesquisa feita em 2018 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o salário médio  de um cientista político varia entre R$ 2,4 mil e R$ 5,4 mil, dependendo do tipo de organização em que atua.

A remuneração pode aumentar de acordo com a qualificação do profissional. Por isso, uma pós-graduação é importante para ter ganhos maiores.

5 opções de trabalho para um cientista político

1. Campanhas eleitorais

Embora as campanhas não sejam a única opção de trabalho para o cientista político, elas costumam estar diretamente associadas à carreira desse profissional. Por meio de seus conhecimentos, ele interpreta o cenário do país, estado ou cidade em que os candidatos vão disputar o pleito.

Conhecer a realidade desses locais é fundamental para a realização de projeções sobre o processo eleitoral. Além de bastante experiência, o cientista político deve dominar as teorias políticas, metodologias, estatísticas,, entre outros conhecimentos.

Com essa sólida base, a sua principal função é oferecer insumos para as estratégias de marketing. O trabalho ainda inclui visitas aos locais que necessitam de ajuda, definição do material de campanha e divulgação dos planos de governo.

2. Assessor político

O cientista político também pode trabalhar como assessor de parlamentares, sendo responsável por variadas tarefas no gabinete. Esse profissional é uma peça importantíssima para um mandato de sucesso.

Isso porque, devido aos inúmeros compromissos, os candidatos eleitos não conseguem dar conta das funções administrativas e, ainda, manter um relacionamento próximo com seus eleitores. Portanto, o assessor político trabalha para dar todo o apoio necessário e ouvir as demandas da população.

Além disso, cabe a ele redigir textos de projetos de lei para votação em plenário, requerimentos, emendas, ofícios, entre outros. Isso significa que o assessor também atua como responsável por procedimentos inerentes ao exercício parlamentar.

3. Consultor de políticas públicas

Uma das funções do poder público é desenvolver ações que visem assegurar os direitos da população, que estão previstos na Constituição e demais leis brasileiras. As políticas públicas são as medidas adotadas pelo Estado, que visam à promoção do bem-estar da sociedade.

Seja no nível federal, estadual ou municipal, os representantes eleitos e os servidores públicos trabalham em conjunto para elaborar as políticas e colocá-las em prática.

Assim, o cientista político pode atuar em parceria com deputados, vereadores, prefeitos, membros do governo federal, funcionários de diversos órgãos públicos e organizações do terceiro setor.

Esse profissional fica encarregado de propor, implementar e avaliar as políticas públicas, das mais variadas áreas do governo. Uma opção para quem deseja ingressar no ramo é prestar concurso para o cargo de gestor governamental.

Cientista político - analista

4. Cargos administrativos

Os profissionais formados em Ciência Política encontram oportunidades de emprego com boa remuneração no serviço público.

Há vagas nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, mas, para concorrer a elas, é preciso prestar concurso. Ou seja, dominar os conhecimentos necessários para a prova é o primeiro passo.

Cientistas políticos têm tudo para se sair bem nos concursos públicos, já que a graduação tem uma estrutura curricular diversa, com disciplinas nas áreas de Direito, História, Sociologia, Economia, Filosofia, entre outras.

5. Professor

O cientista político pode trabalhar como professor, principalmente no Ensino Superior. Uma das vantagens de atuar como docente é a possibilidade de, simultaneamente, ter outros trabalhos.

Trata-se de uma profissão admirável, por contribuir para a educação e a formação dos universitários. Além disso, a própria experiência docente traz diversos aprendizados para quem trabalha como professor.

Em relação à remuneração, o valor pago para esses profissionais varia bastante de acordo com a instituição de ensino.

Vale ressaltar que, para lecionar em Universidades, é preciso ter um título de pós-graduação — especialização, mestrado ou doutorado.

6. Analista político

Existe um mercado crescente para o cientista político atuar como analista.

Esse profissional tem ganhado visibilidade e frequentemente é convidado por canais de TV, jornais e portais de notícias,  para explicar o contexto político e debater temas atuais. Ele também pode ser convidado para ministrar palestras e workshops.

Cientista político: um profissional com um vasto campo

Essas não são as únicas opções de trabalho para quem é formado na área. Depois de alguns anos de experiência, os cientistas políticos também podem prestar consultoria para empresas, ONGs e órgãos públicos. Há, ainda, oportunidades de trabalho como pesquisador em institutos e Universidades.

Está pensando em cursar uma graduação em Ciência Política? Visite a página da Uniube e saiba mais sobre o curso!

Escrito por Letícia, da Uniube